7 Dicas do que NÃO fazer para aprender inglês

Algumas atitudes suas podem contribuir para tornar o aprendizado muito mais difícil. Saiba quais são elas e aprenda a evitá-las

Aprender um segundo idioma é um item que deve estar na sua lista de prioridades. Seja ele qual for, é importante que você possa se expressar em outra língua e possa se destacar no mercado de trabalho por conta disso.

Entre as principais opções, aprender inglês é ainda um dos diferenciais ao qual você deve recorrer. Muitos cargos pedem uma noção básica do idioma, de forma que você precisa investir nisso.

Gramática correta inglês Do's ou Don'ts

Pode ser que você não chegue a trabalhar diretamente com tradução de documentos, mas ainda assim é importante ter uma boa compreensão de outro idioma. Nesse artigo, listamos 7 dicas do que fazer na hora de aprender inglês, de jeito nenhum! Você pode estar boicotando o seu aprendizado e talvez nem tenha se dado conta disso.

Em geral, essas dicas valem para qualquer idioma. Há vários níveis de aprendizado e se você já teve a oportunidade de ir para o exterior – ou mesmo de ler um documento mais complexo – sabe que certos níveis da língua muitas vezes são incompreensíveis, mesmo para aqueles que supostamente têm bom entendimento do idioma.

1) Não tente traduzir tudo

É natural que nas primeiras aulas você ouça ou leia uma palavra em inglês e tente traduzi-la para o português. Entretanto, com o passar do tempo, essa estratégia pode jogar contra você, uma vez que muitas palavras não tem o mesmo sentido aqui. A palavra “ponto”, por exemplo, tem múltiplos sentidos em português, mas em inglês cada um dos significados possui uma palavra diferente. Por isso, evite a todo custo traduzir mentalmente para entender o significado de uma frase. Isso é que os professores chamam de aprender a “pensar em inglês”.

2) Não ache que filmes e séries são suficientes

Assistir a filmes e séries em seu idioma original pode ser uma boa oportunidade para que você ouça termos em inglês. Esse método pode ajudar na compreensão com o passar do tempo, mas nunca deve ser o único. É preciso que haja uma orientação por parte de alguém que saiba muito bem o idioma, de forma que você possa esclarecer suas dúvidas. Além disso, esse método reforça apenas o seu entendimento oral e há pelo menos outras três competências que precisam ser desenvolvidas: a produção escrita, o entendimento da escrita e a conversação.

3) Não fazer aulas para aprender inglês

Esse é um ponto controverso para o aprendizado de inglês. Dificilmente você terá um nível alto no idioma se não fizer aulas ou não tiver a oportunidade de morar em um país que fale esse idioma. Você pode até dominar a conversação, mas na hora de escrever vai sentir falta do embasamento gramatical. A maioria dos cursos online foca na leitura e na conversação, mas itens como a escrita, por exemplo, são melhor desenvolvidos se você tiver um professor por perto.

4) Não ter contato com nativos no idioma


Uma coisa é você conversar com pessoas que falam inglês. Outra coisa é você conversar com pessoas que são nativas de países nesse idioma, ou seja, que foram alfabetizadas em inglês. Somente com o passar do tempo é que você vai se atentar a nuances de pronúncia, às expressões que são mais corriqueiras e às formas de se falar que soam mais naturais ao ouvido deles. É bem difícil aprender inglês de verdade sem nunca conversar com um nativo da língua.

5. Ter medo de errar


O ser humano sempre tem tendência a procurar as situações mais cômodas. Falar inglês com seus colegas em sala de aula é uma coisa. Trata-se de um ambiente controlado onde todos esperam que você possa errar algum termo. Porém, muitas pessoas se sentem inseguras de usar os seus conhecimentos fora de sala de aula. Sendo assim, converse em inglês com alguém se puder, leia livros no idioma e tente produzir pequenos textos, sem medo de errar.
É somente errando que você vai descobrir os pontos que precisam ser corrigidos.

6. Não praticar


A sexta dica é um complemento da quinta, mas é igualmente importante. De nada adianta você estudar inglês se não praticar. Pense da seguinte forma: tudo aquilo que você aprende e depois deixa de lado, com o passar do tempo, vai sumindo da sua lembrança. Com a língua a situação acontece da mesma maneira. Quanto mais você fala, mais seu cérebro mantém vivas na lembrança as palavras. Por isso, não deixe o segundo idioma de lado e pratique-o pelo menos uma ou duas vezes por semana.

7. Se for fazer intercâmbio, fuja dos brasileiros


Calma, não temos absolutamente nada contra os brasileiros. Porém, em um intercâmbio, ainda há muitas pessoas que preferem ficar andando com os brasileiros do que com pessoas que moram em outros países. Esse sentimento é natural, pois tendemos a nos aproximar daquelas pessoas com as quais nos identificamos mais – e o idioma é um fator preponderante. Porém, passar 30 dias no exterior conversando com as pessoas apenas em português não é nada produtivo em termos de aprendizado de linguagem. Esse é o momento em que você deve se esforçar para falar inglês – ou qualquer outro idioma – o máximo que puder.

Portanto, se tiver uma oportunidade como essa, evite a todo custo conversar em português, para que a sua imersão em outra cultura e o seu aprendizado sejam ainda melhore.

Mas caso precise de auxílio para tradução profissional, como contratos, termos técnicos, entre outros documentos, procure uma empresa de tradução profissional como a Fidelity Translations, onde você contará com tradutores nativos em cada idioma e especialistas em áreas profissionais para atender suas necessidades.

Solicite sua Tradução